Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica
Architecture Church Italy City Vatican Rome

Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica

Vamos entender um pouco mais sobre a unidade que existe em nossa Igreja Católica e Apóstolica. Ela, além de possuir uma sublime unidade, é a única Igreja de Cristo. Vimos que a Igreja Católica possui unidade tanto no seu Governo e na sua Doutrina quanto na sua Liturgia.

Desde já quero deixar claro que a Igreja ela é SANTA!

Mas você pode se perguntar como se os notíciarios eas mídias sempre trazem matérias de escândalos e pecados…

Desvios dentro da Igreja

Sem muita pesquisa, encontramos casos muito graves de pedofilia, roubo, desfalque e heresia por muitos membros indignos que estavam longe de testemunhar a verdade e a santidade. Então, repito a pergunta: “Como podemos dizer que a Igreja Católica é santa diante de tantos escândalos e pecados?” “A Igreja Católica é realmente santa?”.
Esta pergunta é um pouco complicada, e o Catecismo da Igreja Católica, parágrafo 823, responde-a de forma sucinta e direta, ou seja, não deixando espaço para adivinhações: “Aos olhos da fé, a Igreja é invencível”, ou seja, sem falhas.
Muitas pessoas que dizem que a igreja é santa e pecaminosa podem estar erradas. Essa expressão, muitas vezes dita casualmente, pode ser falha ou incapaz de expressar a verdade. Seria mais correto dizer que a igreja é santa e composta de membros pecadores.

Papas pedem perdão pelos erros cometidos pelos filhos da Igreja

Em 2000, quando a Igreja e o mundo se preparavam para o novo milênio, a atitude adotada pelo Papa São João Paulo II foi notícia em todo o mundo. Ele veio a público e pediu perdão pelos pecados cometidos pelas crianças da igreja. Mas as reportagens da mídia ao redor do mundo contam uma história diferente.
Basta fazer uma pesquisa rápida em um mecanismo de pesquisa e você pode ver por si mesmo. A notícia recebeu as seguintes manchetes: “Papa pede perdão pelos abusos da Igreja Católica” ou “Papa João Paulo II pede perdão pelos erros da Igreja”. Observe que as notícias dizem que “abusos” ou “erros” foram cometidos pela igreja.
Recentemente, foi a vez do Papa Francisco pedir perdão em nome da Igreja, e a mensagem mais uma vez recebeu a seguinte manchete: “O Papa Francisco pede a Deus que perdoe as falhas da Igreja”. Aqui, também, “erro” e “horror” são colocados na conta da igreja.

Equívocos midiáticos

Observe que no primeiro e segundo exemplos, o erro está sempre com a igreja, não com seus membros. Não se trata de rigorizar as manchetes dessas notícias, mas de ajustá-las para que a doutrina e a mente da igreja não sejam inadvertidamente ou indevidamente feridas por malícia ou ignorância. Em ambos os casos, o Papa São João Paulo II e o Papa Francisco não pediram perdão pelos pecados da Igreja, afinal ela não era uma pecadora, mas pelos pecados de seus filhos.

Esse comportamento humilde da igreja pode ser comparado a uma mãe pedindo perdão a alguém ofendido por seu filho. Não era ela a culpada, mas a mãe que se sentia responsável pela má conduta do filho. É claro que a igreja está fazendo isso seguindo os ensinamentos de Jesus que, mesmo não tendo pecado, tornou-se pecador e trouxe redenção ao mundo.

A Igreja ajuda seus fiéis a alcançarem a perfeição

Para concluir, o bem-aventurado Paulo VI, no número 19 do “Motu Proprio”, lançado em 1968, em virtude da conclusão do “Ano da Fé”, afirma que a Igreja “é santa, apesar de incluir pecadores no seu seio”. Sendo assim, ela – a Igreja – “sofre e faz penitência por essas faltas”. Faltas essas, assumidas por Cristo na Cruz. O parágrafo 827 do Catecismo da Igreja Católica ainda completa afirmando que a Igreja reúne “pecadores alcançados pela salvação de Cristo, mas ainda em via de santificação”.

Sempre evite dizer que a Igreja é pecadora, pois ela não o é. Diga sempre que puder: a Igreja é santa e indefectível.

Deixe uma resposta